Adeus passado.




Hoje acordei com uma grande necessidade de dizer adeus. Não a alguém, não a alguma coisa, mas, adeus ao meu passado.

Hoje quero me esvaziar de tudo aquilo que me feriu, de tudo aquilo que um dia me fez chorar. Quero dizer adeus a aquele sentimento de esperança de que quem me machucou irá pagar por aquilo. Quero dizer adeus ao desejo de fazer justiça com as minhas próprias mãos.

Hoje quero dizer adeus a toda insegurança, a todo medo, a todo complexo de inferioridade. Hoje quero dizer adeus a todas as palavras negativas que me disseram e a todas as vezes que eu achei que não era capaz, a todas vezes que eu fui a minha pior inimiga.

Hoje quero dizer adeus a uma Andreia que não existe mais, mas, que insiste em tentar me atormentar de vez em quando. Quero dizer adeus a uma Andreia que muitas vezes eu insisto em lembrar.

Hoje quero dizer adeus ao meu passado. Ele ficou para trás, não posso fazer nada para mudá-lo, mas posso e vou impedir que ele interfira no meu presente e no meu futuro.

Hoje quero dizer adeus a tudo que me atrasa, a tudo que me faz infeliz, a todas as mentiras que o diabo me contou e eu acreditei, a toda religiosidade, e principalmente, a todas as vezes que eu disse que Deus não estava comigo.

13 Reasons Why - Minhas Impressões








Amores da minha vida, tudo bem com vocês?
Sim, eu sei que desapareci outra vez e peço mil perdões para todos. 
Minha vida está uma loucura, mas, a vida é assim mesmo.

Hoje estou aqui para falar dessa série que tem sido o assunto do momento e que destruiu o meu psicológico. Estou falando de 13 Reasons Why (Os 13 Porques) que é o nosso sucesso da nossa tão amada Netflix <3

A série é baseada no romance de Jay Asher. Confesso que nunca senti vontade de ler o livro, mas, desde que soube que ele seria adaptado, eu quis muito assistir a série. Sei que muitos vão pensar: "Ah, mas o livro é melhor", "A série é diferente". Eu imagino mesmo que seja, mas, não me importo. Eu não senti vontade de ler o 13 Reasons Why, nem o PS.Eu Te amo e nem mesmo o E Se Fosse Verdade e eu sou completamente apaixonado nos filmes. Assim, como sou louca pelos livros O Menino do Pijama Listrado e A Menina Que Roubava Livros, mas, nunca parei para assistir o filme. Sou bem confusa kk. Alguém se identifica?

Mas, vamos ao que interessa. Eu assisti a série legendada e eu amei o elenco. Adorei os figurinos. Achei tudo maravilhoso.

A história é linda, porém, é muito triste. Teve momentos em que eu queria poder entrar na série só para poder abraçar a Hannah. Ninguém merece passar por tudo o que aquela menina passou. Ok. Eu sei que é uma história. Mas, tudo aquilo é a realidade de inúmeras garotos pelo mundo todo. E dói muito saber que nós não estamos fazendo NADA para mudar isso.

Eu gostei muito do Clay desde o início. Eu tentava não gostar dele, mas, não consegui. O Tony foi amor a primeira vista. Agora Courtney, Jessica, Alex, Bryce, odiei todos eles. O Justin, de forma alguma querendo justificar, consegui sentir um pouco de compaixão por tudo o que ele passava dentro de casa.

Uma coisa que me partiu o coração, mas, que me fez refletir muito, foi a forma que a série mostrou como os pais da Hannah lidaram com a morte da filha. Não é aquela coisa fingida sabe. Durante os flashbacks, vemos um casal jovem, feliz, apaixonado e depois do suicídio, nos deparamos com um casal envelhecido, sofrido e que não sabe mais como lidar com a dor.

É uma série linda e que serve de alerta para todos nós!

Bjo e até mais.





Dia do Jornalista


Hello!

Hoje é 07 de abril e é o dia do Jornalista.







Eu sempre soube que queria fazer jornalismo, mas, nunca imaginei que seria tão difícil expressar em palavras o amor que sinto por essa profissão. Esse texto que vocês estão lendo foi escrito e reescrito pelo menos umas vinte vezes. Mas, acho que jornalismo é isso.

É escrever uma matéria mil e uma vezes e ainda achar que não está boa o suficiente. É descobrir que existe uma série de regrinhas para se escrever um bom texto jornalístico: "Cargo antes do nome, tal número é por extenso" e muitas outras.  É correr atrás de entrevistado e receber muitas portas na cara e é se apaixonar pelos velhinhos, pois eles são as fontes mais acessíveis.

Ser jornalista é viver uma relação de amor e ódio com o rádio. É se desesperar para conseguir uma sonora ou escrever um roteiro e se sentir extremamente orgulhosa ao ouvir o resultado final de seu trabalho.

Ser jornalista é contar histórias e imaginar mil e um desfechos para a sua reportagem. É ser curioso e pensar naquilo que ninguém pensou. É saber o quanto uma informação pode mudar a vida de uma pessoa. É saber o grande poder que tem nas mãos.

Posso ainda não ter um diploma, mas, já me considero jornalista. E mesmo em meio as dificuldades, nunca pensei em desistir e a cada dia me apaixono mais e mais por essa profissão maravilhoso que não vejo a hora de exercer.

Aos meus amigos jornalistas, parabéns <3

[Crônica] A primeira vez em que vi o mar


Toda criança é cheia de sonhos. Existem aquelas que desejam se tornar jogadores de futebol e existem outras que querem ser astronautas. Existem aquelas que querem ser a estrela da novela das nove ou o próximo Michael Jackson. Mas, existem aquelas que sonham com algo bem menor, como uma nova boneca, uma chuteira legal, uma ceia de natal ou até mesmo, uma família.

Eu tive muitos sonhos durante a minha infância. Sonhava ser atriz. Sonhava ser bailarina. Sonhava em ter uma boneca que era maior do que eu (aliás, esse é meu trauma de infância, nunca tive uma boneca Stephany). Sonhava em ter super poderes, queria ser invisível. Sonhava em ver o meu pai entrando pela porta de casa, dizendo que nunca mais iria embora para outro país.

O tempo foi passando. Eu fui crescendo. E à medida que os anos passam, a gente amadure.  Comecei a entender melhor as coisas, os porquês e as razões. Comecei a sonhar com coisas maiores, como fazer uma faculdade, ter uma casa, um carro e formar a minha própria família.

Mas, havia um sonho bobo de criança adormecido dentro do meu coração. Cada vez que eu via um programa de TV ou que via uma imagem, meu coração ardia. Eu queria ver o mar. Nem era preciso mergulhar, molhar os pés, pisar na areia, eu só queria ver. Queria ver as ondas, sentir o cheiro, sentir a brisa.

O sonho de criança só foi se realizar quando eu já tinha vinte anos. Foi tudo muito rápido. Um convite, uma passagem e uma data: 18 de julho de 2016.  

Em um piscar de olhos, eu estava dentro de um avião, pela primeira vez. De Goiânia a São Paulo e horas mais tarde, de São Paulo para o Rio de Janeiro. Com os olhos vidrados na janela, eu só via nuvens. Uma obra de arte em pleno céu. E ao se aproximar do aeroporto Santos Dumont, eu o vi.


Tão lindo, tão imenso, tão perfeito, tão calmo e ao mesmo tempo, tão revolto.  Parecia que não existia mais nada, apenas eu e a imensidão do mar. Fiquei calada por alguns instantes, apenas o olhando, sentindo o perfume das águas. Não era muito agradável, mas não importava. Parecia que a minha alma havia saído do meu corpo. Me vi como uma garotinha de sete anos. Livre, leve, com o cabelo jogado ao vento e um sorriso de orelha a orelha.

Não foi nesse dia que entrei no mar. Aliás, esse nem era o meu sonho. Eu queria apenas vê-lo. E o vi. Mas, se querem saber, fiz tudo o que tinha direito. Mesmo sem saber nadar, nadei. Andei descalço na areia, catei conchinhas pelo caminho, tomei água de coco, tirei mais de 500 fotos, fiz tudo o que queria, porque, eu estava realizando o meu sonho de criança.

Pode parecer uma história boba, mas que me ensinou algo muito importante: vale à pena sonhar, vale à pena acreditar, vale à pena ter fé, porque sonhos se realizam e sempre é, quando a gente menos espera.

[Resenha] Olhos da Deusa - Lígia Dantas




" A dor do amadurecimento pode ser a pior de todas para algumas pessoas. Para cada um, é imposta uma prova; para alguns há preparação e, para outros, não.  Para alguns, há tormenta; para outros, há calmaria.", pensou Estela."
    
 - Olhos da Deusa - Ligia Dantas


Meus amores. 
Sei que tenho andado sumida, mas, prometo que vou tentar me organizar para tentar postar por aqui pelo menos umas duas vezes na semana.
Essa história de trabalhar, estudar, namorar. ocupa muito tempo da gente, mas, como sempre digo, no final vai valer a pena.

Hoje trago a resenha do livro da autora parceira Ligia Dantas: Olhos da Deusa.

No início, minha maior dificuldade foi lidar com o tanto de personagens que esse livro tem. 

Eu fiquei meio perdida com tantos nomes, com tantas personalidades, mas, é assim a vida real, temos contato com diversas pessoas, cada uma diferente uma da outra e a autora conseguiu transmitir isso de uma forma incrível.

Logo já encontrei os meus favoritos e também os que me deixaram morrendo de raiva.

O livro é todo marcado pela magia, por rituais e muitos mistérios.

A obra toda gira em torno de uma lenda que envolve a "Grande Deusa", as fases da lua, rituais, poções mágicas e muitos outros mistérios. 

Eu disse que o livro é cheio de personagens né, então, vamos começar pelos protagonistas da nossa histórias: Os irmãos gêmeos Caio e Rebeca. Caio é um garoto legal, músico e é namorado de Carol. Rebeca é uma menina doce, meiga e que juntamente com seu irmão, precisa lidar com o casamento destruído dos pais. Eles são netos de Estela, a sacerdotisa da história, que é a responsável por instruir os netos na magia e por fazer com que eles entendam o que a Grande Deusa reservou para eles.

Paralelo a isso, mas, sempre com alguma relação conhecemos diversos outros personagens: Carol, a impulsiva namorada de Caio, que é a melhor amiga de Priscila (A primeira personagem que me passou raiva), uma garota falsa e que faz de tudo para ficar com Gustavo que é apaixonado por Rebeca e é correspondido. Também temos Thais, a doce Thais, que precisa lidar com a mãe doente e a descoberta da sexualidade. Apaixonado por Thais, temos Igor, mas, na verdade o coração dela bate mais forte por outro rapaz. Temos também Miguel, o amigo de todos, mas, que se vê envolvido com jogos por influência do padastro e isso trás grandes consequências para a sua vida. Ainda nos deparamos com o Marcos, irmão de Gustavo e a prima deles Lavínia (Outro que não gostei). 

Como eu disse, existem várias histórias paralelas, mas que se em algum momento se encontram como é o caso de Marina e Perla que fazem parte de uma irmandade e que querem a todo custo descobrir o segredo que Rebeca esconde e o melhor de tudo é que a própria Rebeca não sabe ao certo o mistério que a cerca. Nós descobrimos junto com ela.

Eu adorei o livro. Adorei ver o desenvolvimento de cada casal. O crescimento de cada personagem. Amei a escrita da autora e principalmente a forma como ela conseguiu demonstrar os conflitos que nós passamos quando somos adolescentes como um relacionamento desgastados, problemas com os pais, abuso, ciúmes, inveja  e outras coisas.

Recomendo a leitura.
Vou deixar aqui embaixo as redes sociais da autora.
Não perca tempo. Leia logo esse livro.
Um beijo e até mais!


LIGIA DANTAS

Ensaio de Moda - Anos 80




Meus amores, que saudade.
Desculpem pelo sumiço, mas, minha vida está uma loucura. 
Faculdade, família, trabalho, tudo está contribuindo para que eu tenha o menor tempo livre possível.
Mas, é assim mesmo, no final vale a pena.

E esse post é para os que são apaixonados por moda e por fotografia.
Eu e alguns amigos produzimos um ensaio de moda para a disciplina de Tópicos Especiais em Jornalismo sobre os anos 80.
E estou simplesmente apaixonada pelas fotos que conseguimos.
São muitas, mas, separei as minhas preferidas para vocês poderem ver. 
Espero que gostem. 












 O que acharam?
Deixem nos comentários.
Um beijo  e até mais.

Ensaio de Moda: Anos 80
Modelo: Nathalia Carvalho
Direcão: Rafaella Pereira
Fotógrafos: Andréia Nikely e Fellipe Santos
Produção: Alessandra Batista e Sabrina Monteiro
Professor: Alex Mateus!

[Resenha] Eternidade - Vina Ferreira



MEUS AMORES, QUE SAUDADE!

Os últimos dias foram os mais corridos da minha vida. A faculdade está tomando todo o meu tempo livre, mas, é assim mesmo. Todo esforço valerá a pena quando eu deixar de ser Uma Quase Jornalista e me tornar uma Jornalista com Diploma.

Mas, queridos, eu tenho novidades: Adivinhe só quem leu o seu primeiro livro de Vampiros? Sim! E acho que irei mais e mais livros sobre esse tema. O livro que trarei a resenha para vocês hoje é o Eternidade, da autora parceira Vina Ferreira.

Uma das coisas que mais gostei do livro é que ele é direto, a autora realmente vai direto ao ponto. Não tem aquela enrolação, sabe. 

Pois bem, o livro conta a história da Lunayane Monari, que não gosta de seu nome e por isso, todos a conhecem como Luna. Ela é Diretora de Negócios de uma grande empresa e está prestes a embarcar para Lisboa para sua primeira viagem internacional de negócios.

Luna é mulher muito bonita de 27 anos que é apaixonada por livros de fantasia e acredita que não pertence ao mundo em que vivemos. Seu grande sonho é encontrar o "Príncipe Sombrio".

Assim que chega em Portugal, ela conhece o Dr. Armando Schiano e pronto. A atração é imediata. Os dois se aproximam e em questões de dias se apaixonam. 

Só que tem um detalhe: Armando é um vampiro e ele não é como o Edward de Crepúsculo. Armando é um forte, charmoso e se ele existisse, eu não teria medo de ser tranformada!

Enfim, basicamente o livro conta a história de amor entre Luna e Armando, mas, não pense que é uma romance comum. É uma história cheia de surpresas. Minha mente é muito fértil, mas, eu não poderia imaginar o final dessa história.

Recomendo o livro. É realmente muito lindo. E eu quero o Armando pra mim!

Beijoo pra todos vocês <3

REDES SOCIAIS DA AUTORA:


Topo